SEU E-COMMERCE DESENVOLVIDO PARA REALMENTE VENDER!

INDEPENDENTE SE VOCÊ É UM NOVO EMPREENDEDOR NO MUNDO DIGITAL, OU JÁ TEM SUA LOJA DESENVOLVIDA, NOSSO FOCO É SOMENTE UM: O SEU SUCESSO!
Como alcançamos nossos objetivos

E-Commerce e Implantação de Lojas Virtuais

Desenvolvimento

Ajudamos você a implantar uma verdadeira máquina de vendas: Atraia potenciais clientes, converta-os em leads, crie oportunidades e feche novos negócios!

Consultoria

Somos especialistas em ajudar empresas a criar seu E-Commerce com uma consultoria completa para ajudar você a alcançar os resultados desejados.

Gestão

A WITBIZ é focada em ajudar o seu negócio com soluções para a gestão completa da sua loja virtual, desde o cadastro dos produtos a melhora na logística e meios de pagamento.

Nossas parcerias de sucesso!

Plataformas de E-Commerce

Nossas lojas são incríveis!

Cases de Lojas Virtuais

A expertise em Lojas Virtuais

Agência de E-Commerce

Somos especialistas em E-Commerce!

A WITBIZ Digital já desenvolveu inúmeros projetos de Lojas Virtuais, customizadas e alinhadas com o seu objetivo.

Temos os melhores profissionais do mercado, prontos para atender as suas expectativas, entendendo os seus anseios e orientando nas melhores práticas, com foco em performance e conversão, ou seja, resultados!

Somos uma Agência de Marketing Digital em SP, parceiros das principais plataformas de Ecommerce do mercado.

Guia do E-Commerce

Como sua Loja Virtual pode vender mais!

Montar um e-commerce ou loja virtual pode ser sinônimo de grande sucesso em vendas. Através dele é possível atingir um número de consumidores que jamais conseguiria comportar em apenas um estabelecimento físico.

Famoso pelo baixo custo em infraestrutura, a projeção de crescimento do e-commerce brasileiro para 2019 é de 16% e um volume de vendas superior a R$ 79 bilhões.

E as perspectivas são boas. Com a tendência de migração das empresas físicas para o meio digital e a melhor aceitação a cada dia que passa das compras online pelo consumidor, acredita-se que as vendas online dobrem até 2021.

Quer fazer parte dessa onda de crescimento do mercado online e montar seu e-commerce? Então aproveite este guia completo e aprenda como iniciar com o pé direito a migração da sua empresa para o meio digital.

 

Aprenda nesse post:

O que é um E-Commerce?

Podemos definir e-commerce como uma plataforma de vendas online com produto “próprio”, ou seja, sem incluir outros vendedores. Ainda, é preciso que o pagamento seja processado de forma virtual.

Uma confusão frequente é entre E-Commerce e Marketplace. O que diferencia este último é o fato de abrigar outros vendedores, é o caso do Mercado Livre, AliExpress, etc.

Para tanto, até mesmo as grandes conhecidas Lojas Virtuais como Submarino, Americanas e Shoptime (do Grupo B2W), são hoje Marketplaces (sim, você pode aparecer lá).

Assim, de forma resumida, o funcionamento de um E-Commerce funciona da seguinte forma:

  • Plataforma online disponibiliza os produtos
  • Consumidor efetua a compra
  • Faz-se o pagamento e conclui a transação tudo pela internet
  • Pedido é despachado para transportadora/correios
  • Cliente recebe o código de rastreio
  • Produto é entregue no endereço informado

Por que sua empresa precisa de um
E-Commerce?







Certamente já ouviu milhares de vezes que as vendas online são o futuro, mas afinal, por que realmente a sua empresa precisa de um e-commerce? Como isso impacta nos seus ganhos e o que esperar de forma prática ao implementar?

Essas são as perguntas que quase ninguém responde.

Através da análise dos anos anteriores é fácil perceber a migração das compras em estabelecimentos físicos para as lojas online, tanto pela comodidade e preços acessíveis quanto pelo aumento da confiança no pagamento eletrônico.

Segundo dados da Ebit, WebShoppers e Paypal podemos constatar um crescimento progressivo no mercado virtual.

 

  • Ano de 2016: aproximadamente 37 milhões de brasileiros realizaram pelo menos uma compra pela internet, um aumento de 21,5% comparado a 2015.
  • Ano de 2017: as compras aumentaram para 48 milhões de pessoas e um crescimento de 15% do ano anterior.
  • Ano de 2018: 60 milhões de compradores, em média 10% de crescimento.

Já para os próximos anos acredita-se em uma estabilização do mercado e um crescimento médio de 8 a 12% anualmente.

O que preocupa e faz com que montar um e-commerce seja PRIORIDADE para os empreendedores brasileiros não é apenas o crescimento do setor, mas sim a baixa na compra em estabelecimentos físicos.

Gigantes do mercado, como a Magazine Luíza já iniciaram a migração e fecharam diversas lojas físicas para dar prioridade para seu e-commerce, com isso conseguiu um aumento no faturamento em 2017 de 1.014%.

Faça uma Avaliação Gratuíta

#1 Motivo: Aumento do Faturamento

Assim, o primeiro impacto que a sua empresa ao abrir um e-commerce pode esperar é um aumento no faturamento, já que a tendência é o aumento de compras na modalidade virtual.

Claro, é preciso observar alguns fatores importantes ligados a criação do site, marketing digital, entre outros. Mas falaremos mais abaixo, não se preocupe.

#2 Motivo: Redução dos Custos

Os custos são uma das maiores preocupações de quem monta um negócio, pois, o que se deixa de gastar é lucro direto.

O cálculo do lucro líquido é simples: faturamento – custos e despesas.

Manter um e-commerce custa, em média, 20% do que uma loja física, justamente em razão da redução dos custos.

#3 Motivo: Branding

Estar online significa atingir milhares de pessoas todos os dias (desde que bem trabalhado) e, com isso, aumentar o branding e autoridade da marca.

#4 Motivo: Facilidade de Expansão e Escalabilidade

Diferente de um negócio físico, o e-commerce permite uma fácil expansão e escalabilidade de ganhos, pois os custos para isso são bem menores.

#5 Motivo: Automação

Quando se trata de e-commerce e negócios digitais a automação é a “mina de ouro”. Enviar e-mails, fazer vendas, gerar boletos, tudo automático, sem a necessidade de vendedores é uma realidade.

Essa automação permite trabalhar “menos” e vender mais.

#6 Motivo: Concorrência

Certamente a sua concorrência já possui um e-commerce e, se não possuir, é a sua chance de ter um diferencial competitivo e sair na frente.

Como Criar um E-commerce (Do Zero)?

A criação de um e-commerce pode parecer um verdadeiro “terror” para aqueles que não conhecem a estrutura, nesses casos, contratar uma empresa para ajuda-lo é a melhor opção.

Mas se você deseja conhecer melhor o funcionamento e até mesmo pensa em montar vamos ajudá-lo e simplificar todo o processo!

Veja o passo a passo das etapas:

Qual será o seu domínio?

Domínio é o endereço virtual da sua loja, o famoso www.seudominio.com.br (por exemplo).

Todo domínio é composto por um “nome” + “TLD (.com, .com.br, .net, etc)

As terminações mais conhecidas são .com, .com.br, .net e .org.

Contudo, há dezenas de outras opções, por exemplo, .online, .club, .adv, e muitas outras.

Para fins de qualidade essas terminações não são relevantes, contudo, é comum às pessoas preferirem acessar sites com as terminações mais conhecidas, até por questões de confiabilidade.

A compra do domínio pode ser realizado através de empresas como a GoDaddy e NameCheap, ou, se for terminação “.com.br”, no próprio site oficial Registro BR.

Escolhendo a Hospedagem

Para que seja possível às pessoas acessarem e visualizarem o site é necessário hospedá-lo.

Hospedar um site significa armazenar os dados em um ambiente (servidor) que irá disponibilizar para todos que digitarem um endereço na internet (seu domínio).

No mercado, há 4 tipos de hospedagem:

  • Compartilhada: um servidor é responsável por hospedar diversos clientes e os recursos são divididos entre eles.
  • Dedicada: o servidor é exclusivo de um único cliente.
  • VPS (Servidor Virtual Privado): a hospedagem cria através de programas dentro de um servidor físico “mini” servidores virtuais, dando total capacidade de gerenciamento ao cliente. A vantagem é que esse servidor virtual é restrito ao cliente e não compartilha recursos como na modalidade compartilhada.
  • Cloud (nuvem): uma rede de servidores virtuais interligada compartilha recursos e hospeda diversos clientes. A vantagem desse serviço é diminuir a “sobrecarga” e garantir que o e-commerce seja livre de queda, já que, se um servidor apresentar problemas, há outro interligado.

Ao contratar a hospedagem, apenas tem-se um espaço de armazenamento, é preciso realizar a configuração.

Por isso é comum a contratação de plataformas específicas que fornecem uma estrutura “básica” de e-commerce e facilita para iniciantes na área.

Outra opção é contratar hospedagens gerenciadas, contudo, são mais caras e o gerenciamento não se refere à loja virtual, mas sim as configurações básicas, por exemplo, a instalação de firewall.

Devido ao fluxo de visitantes em um e-commerce e, principalmente, pela grande quantidade de imagens/produtos, o ideal é contratar um servidor dedicado ou na modalidade cloud.

Muito complicado para você? Deixe que nossa equipe capacitada cuide de tudo e foque no operacional do seu negócio, Call to Action

Abaixo selecionamos plataformas para e-commerce de altíssima qualidade e que, com uma boa assessoria e agência para auxiliar na implementação, é possível criar lojas excelentes, com otimização para motores de busca (posicionamento no Google, Yahoo, Bing) e com alta taxa de conversão de visitantes em compradores.

Plataformas de E-Commerce

As plataformas de e-commerce permitem criar uma loja virtual automatizada, integrando sistemas de pagamento, automação, logística e muito mais.

Foram desenvolvidas para que o cliente consiga otimizar a estrutura online, aplicando técnicas e estratégias de marketing digital para levar o faturamento da empresa a outro nível.

Conheça as melhores plataformas de e-commerce do mercado que trabalhamos na implementação do nosso serviço de marketing digital e assessoria exclusiva:

Criando sua Loja Online!

Criando uma Loja Virtual

Embora existam plataformas facilitadoras em que através de passos dinâmicos se consiga colocar um e-commerce no ar, para deixá-lo em perfeito funcionamento e com padrões de otimizações elevados para atingir o sucesso é preciso “meter a mão na massa”.

Sim, existirão coisas a serem feitas, por exemplo, organização de estrutura da loja, técnicas de SEO, melhorias na velocidade de carregamento das páginas, mudança em partes do layout, automação de e-mail marketing, entre outras.

A boa notícia é que se você deseja economizar e tem tempo livre, com horas e horas de estudo e trabalho é possível fazer sem a contratação de outro profissional. Mas, acredite, é trabalhoso (muito trabalhoso).

Agora, caso deseje montar a própria loja e não usar das plataformas de e-commerce, neste caso é preciso ter conhecimentos avançados de linguagem de programação, principalmente para implementar sistemas de cash out, frete, cupons de descontos, etc.

Mas não se desespere, estamos aqui para ajudá-lo!

Diferente do que a maioria pensa, montar um e-commerce é mais barato do que se pensa.

Uma dica importante. Se desejar fazer “tudo por conta” procure por utilizar o WordPress e a “extensão” Woocommerce, não será tão eficiente quanto a contratação de uma agência e plataforma, mas pode ser uma boa maneira de iniciar e poupar dinheiro.

Sistema de pagamento e cobrança

O sistema de pagamento talvez seja um dos aspectos mais importantes na criação de um e-commerce.

Através dele se convence muitos visitantes a comprar.

Como assim?

O primeiro ponto a esclarecer é: ainda existem consumidores desconfiados e com medo de fornecer dados bancários (normalmente idosos).

Para diminuir essa resistência o sistema de pagamento deve ser bem elaborado e transmitir confiança para o comprador.

Também, a responsabilidade de fazer a gestão dos pagamentos pode gerar complicações, prejuízos e custos.

Veja, para manter uma plataforma de pagamento direto é preciso investir na sua criação, sistemas antifraudes, gateway, taxas/mensalidades e claro, a responsabilidade de em casos de erros arcar com a devolução dos valores ou até responder ação judicial.

Assim, os gastos médios serão:

  • Gateway: R$ 0,35 por pedido;
  • Antifraude: R$ 6.000 para o setup (instalação) e até R$ 3,50 por pedido;
  • Certificado digital: Entre R$ 1.900 e R$ 2.300 ao ano;
  • Cartões (crédito e débito): Entre 3 e 3,5% por operação;
  • Boleto Bancário: Em média R$ 1,50 por operação.

A verdade é que fazer uso de subadquirentes para e-commerces tem o melhor custo x benefício.

Dentre as opções de subadquirentes as mais conhecidas são:

  • Moip;
  • Paypal;
  • PagSeguro;
  • BCash;
  • Mercado Pago;
  • Payu.

Pense bem antes de escolher os serviços de pagamento e avalie todos os detalhes, talvez no início não perceba tanta diferença, mas com o aumento no volume de vendas o gasto pode variar muito.

Estoque da Loja

O estoque é responsável por um dos maiores custos do negócio e a sua gestão adequada é obrigatória para o sucesso da empresa!

A gestão serve para manter o estoque organizado, potencializar o espaço físico, ter controle sobre as mercadorias em falta ou encalhadas e facilitar o processo de envio, diminuindo riscos de atraso na entrega.

Então, nesse momento surge a dúvida: Como fazer o controle de estoque?

Não existem mágicas, mas sim dicas que podem ajudar, e muito. Veja:

  • Fique atento ao giro de estoque;
  • Faça um planejamento para datas sazonais (dia das mães, namorados, etc);
  • Obedeça a curva “ABC” de importância, a qual leva em consideração saída de produtos e faturamento;
  • Produtos congelados devem ser alvo de campanhas de liquidação;
  • Estude o mercado e como está se comportando frente as tendências de compra para projetar possíveis produtos com maior demanda;
  • Possua um software de gestão de estoque eficiente.

Seguir essas dicas pode poupar tempo e dor de cabeça.

Logística e frete

Uma das maiores dificuldades de quem está migrando a empresa para o meio virtual é encontrar soluções de logística dentro de um valor de frete viável.

Em um país com mais de 8.500.000 km² entregar em todas as cidades é uma tarefa árdua e não é incomum fretes que custam mais do que o preço do próprio produto. Isso, além da demora que pode chegar a mais de 20 dias no sistema PAC, por exemplo.

Outro problema enfrentado é o famoso “frete grátis”. Fornecê-lo é extremamente oneroso para produtos de baixo valor, mas, devido a grandes empresas que aceitaram prejuízos inicialmente para fixar-se no mercado, fez com que os consumidores ficassem “mal-acostumados”.

Hoje, cobrar o frete pode fazer (e muitas vezes fará) perder vendas.

Então, como se comportar quanto a isso?

O primeiro passo é chegar a um valor que COMPENSA fornecer o frete grátis, além de inserir uma pequena margem em cima do produto para “auxiliar” no pagamento.

Também, é preciso saber exatamente o que avaliar para decidir se uma empresa de transporte ou correios é a melhor opção. Algumas das características relevantes são:

  • Cotação (preço);
  • Procedimentos de coleta e entrega com rastreamento (prioridade);
  • Facilidade de efetuar o pagamento;
  • Taxa de entregabilidade;
  • Tempo de entrega;
  • Taxa de problemas com a empresa (com que frequência atrasa? Mercadorias extraviam? Etc);
  • Entregam em todo território nacional?

Depois disso é o momento de avaliar as opções disponíveis no mercado: Correios ou Transportadora.

Abaixo fizemos as considerações e um resumo final sobre a melhor opção para ajudá-lo a decidir:

Correios x Transportadoras

Tem maior credibilidade por estar há muito tempo no mercado. O custo do frete para pequenos objetos costuma ser mais baixo do que em transportadoras, já que o valor é fixado pelo peso.

O prazo de entrega dos correios costuma ser maior, contudo, o preço em modalidades como PAC geralmente é inferior aos cobrados pelas transportadoras. Por isso, mesclar as opções (prazo maior = correios) e frete express (transportadora).

Os correios atendem todas as regiões, já as transportadoras podem possuir restrições, verifique.

Não são raras as vezes que os Correios entram em greve e isso atrapalha muito um e-commerce, já as transportadoras não.

Outro aspecto interessante e que é um ponto positivo para as transportadoras é a “fragilidade” e estorno de valores (seguro).

Embora a responsabilidade de embalar e fazer o possível para garantir que a encomenda não extravie seja do e-commerce, as transportadoras costumam ter uma cláusula de restituição de valores e seguro em caso de avarias, perdas ou roubo da carga.

O sistema de ‘relacionamento’ dos correios costuma ser melhor do que o das transportadoras, permite envios com AR (por exemplo), tem ouvidoria, call center de atendimento, entre outras vantagens relacionadas.

Por fim, os últimos dois quesitos da nossa lista são a forma de pagamento e o rastreamento de produtos. Neles a transportadora e os correios se igualam, pois ambos costumam fazer pagamento via fatura em uma data previamente fixada e fornecer código de rastreio da mercadoria durante o transporte.

Então, agora surge a dúvida, qual escolher?

Para iniciar, os correios são uma boa opção, principalmente pela facilidade de integração no e-commerce. Também, em casos de mercadorias mais leves e pequenas.

Contudo, se as mercadorias são de grande porte, de alto valor e delicadas, bem como, se existir um volume de entrega alto em determinada localidade (estado) a transportadora costuma ser a melhor opção.

Automação de processos

A vantagem número #1 e que faz milhares de lojas migrar para o e-commerce é a possibilidade de automação.

Se você não sabe o que significa, resumidamente é a possibilidade de criar processo automatizados, com isso, diminui a necessidade de funcionários, aumenta eficiência e, acima de tudo, permite realizar vendas 24 horas por dia.

Podemos citar como exemplo a possibilidade de acessar o site, efetuar a escolha, fazer pagamento e gerar o pedido tudo de forma automatizada, sem necessitar de um funcionário para isso.

A automação não é uma tarefa simples e provavelmente necessitará contratar um especialista. Podemos citar alguns exemplos de automação:

  • Backup de informações e dados;
  • Processo de pagamento e emissão de pedidos;
  • Controle de estoque (entrada e saída de produtos);
  • Rastreamento de encomendas e envio de códigos;
  • Interação através de e-mail marketing e chatbots;

Através do nosso serviço de marketing digital entregamos toda a estrutura de automação pronta e com os mínimos detalhes, tudo para que o cliente possa alavancar o seu e-commerce.

Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC)

Pense, análise e crie estratégias focadas em fornecer o MELHOR atendimento ao cliente. O bom atendimento é elencado por consumidores como um dos principais fatores que levam à compra, e mais, em pesquisa realizada, acima de 80% dos entrevistados aceitam pagar um valor maior pelo produto se for bem atendido.

Dentre as vantagens de um bom atendimento estão:

  • Aumento do ticket médio por cliente;
  • Faturamento crescente;
  • Indicações e recomendações;
  • Avaliações positivas em redes sociais;
  • Divulgadores da marca (fortalecimento do branding);
  • Diminuição de riscos de ações judiciais;
  • Poucas reclamações;
  • Melhor aceitação das ofertas;
  • Consumidores dispostos a pagar mais pela mercadoria;
  • Diferencial competitivo da concorrência.

Vale lembrar que o atendimento de excelência no meio virtual deixou de ser “facultativo”, hoje, se um único consumidor fizer reclamações nas redes sociais do e-commerce e em sites como o Reclame Aqui, isso pode denegrir a marca e derrubar o faturamento.

E pior, estudos apontam que um comprador insatisfeito fala da experiência negativa para 3x mais pessoas do que quando a experiência for boa. Então, CUIDADO!

Para ter um bom atendimento é preciso ter como foco o consumidor, abaixo dicas valiosas:

  • Disponibilize o máximo de canais de comunicação (Facebook, chat no site, telefone, e-mail, formulário, Whatsapp, entre outros);
  • Dê autonomia para os atendentes realmente resolver o problema e não apenas “enrolar”;
  • Esteja disposto a devolver o dinheiro da compra, fornecer um brinde ou compensar de alguma forma o consumidor lesado;
  • Utilize linguagem positiva e evite termos em que pareça estar “obrigando” o consumidor, é o caso do “você deve” ao invés do “você pode”;
  • Técnicas de rapport são sempre bem-vindas (espelhamento);
  • SEMPRE forneça uma opção para o problema enfrentado, indiferente do que tenha ocorrido o cliente precisa ter uma opção. O produto extraviou? Deseja o dinheiro ou outro idêntico? O cash out não está funcionando? Pode fazer transferência bancária ou boleto;
  • Tome cuidado com a palavra “não” ao cliente, é comum reações ruins.

Design e UX: A importância da experiência do usuário

Quem está iniciando no mundo do e-commerce costuma ter dificuldade em entender que nem sempre o que é bonito em termos de design é eficiente e equilibrar estilização com experiência do usuário (UX) tem de ser o objetivo principal.

Vou trazer um exemplo prático.

Um site repleto de cores, efeitos e figuras provavelmente terá um tempo de carregamento elevado. Mas qual o problema frente a sua internet de 100 mb?

Nenhum!

Mas e nos dados móveis, talvez em uma rede 3G, em um celular?

A resposta é outra.

O desenvolvimento do e-commerce, estilização e técnicas para facilitar e conduzir a compra do consumidor DEVEM ser empregadas de forma adequada, caso contrário, o melhor dos produtos e audiência pode não gerar conversão.

Não tem experiência em design e UX?

Acalme-se, temos profissionais preparados em cada área para ajudá-lo, seja definindo estratégias até mesmo construir layouts incríveis que irão converter seus visitantes em vendas!

O que obvservar ao montar um
E-Commerce?

Montar um e-commerce se assemelha, e muito, em determinados cuidados que precisam ser tomados ao montar um negócio físico.

E como impactam diretamente no e-commerce, achamos por bem lembrá-los para aumentar ainda mais as suas chances de sucesso:

Segmentação de público alvo (persona)

Saber quem é o seu potencial cliente e direcionar as estratégias para o público certo aumenta a taxa de conversão de compra e diminui os custos com campanhas de marketing.

Preço do produto

Falar que tem de analisar o preço, verificar gastos, custos e lucratividade é simplório, o que desejamos lembrar é:

“Não se trata apenas do quanto você precisa cobrar, mas sim do quanto o consumidor está disposto a pagar”.

Vender um produto que custe R$ 800,00 reais e o consumidor estar disposto a pagar apenas R$ 500,00 é um erro. Isso significa que falta valor agregado e que é preciso uma reanálise da mercadoria.

Investimento em Marketing Digital

Em um negócio físico é normal investir em publicidade e algumas vezes em áreas do marketing digital, como as redes sociais. Contudo, as vendas acontecem também em razão de passar pela frente do ponto comercial (vitrine), boca a boca na cidade, entre outras formas.

Já no e-commerce as vendas estão basicamente “entrelaçadas” as estratégias de marketing digital (SEO, e-mail marketing, adwords, remarketing, etc), sem elas dificilmente conseguirá o sucesso.

Lembre-se, são milhares de concorrentes.

Mas acalme-se, tenho uma boa notícia! O custo de aquisição por cliente é menor do que a média em negócios físicos.

Apenas esteja preparado para focar seus esforços físicos e financeiros na área do marketing digital, este será o responsável direto pelo sucesso do seu e-commerce.

Custos e despesas

Um e-commerce é barato se comparado a uma estrutura física de loja presencial, o que não significa “de graça”.

Esteja ciente dos gastos que terá e mantenha um percentual de pelo menos 30% de capital de giro, principalmente para fins de campanhas de marketing e eventuais gastos com fretes em épocas festivas (aumento das vendas), upgrade de servidor com aumento de visitas e até manutenção ou contratação extra de sistemas.

As 9 Principais Métricas de E-Commerce

Analisar o desempenho do e-commerce permite encontrar melhorias e corrigir erros, para isso utilizamos as métricas.

As métricas ou KPIs (do inglês) são indicadores de desempenho gerados a partir de ferramentas (normalmente) que fornecem uma visão sobre determinado aspecto, por exemplo, Retorno sobre Investimento (ROI).

Se no seu e-commerce não tem as métricas disponíveis, não se preocupe, ensinaremos como calcular.

Abaixo você pode conhecer as principais métricas utilizadas para analisar o desempenho de um e-commerce:

ROI – Retorno Sobre Investimento

Mostra qual é o retorno financeiro que obteve após a venda de um determinado produto frente aos custos.

O ROI abrange todas as despesas, desde a aquisição do produto, frete, entre outras. Assim, o cálculo será:

  • Retorno do investimento / Custo do investimento.

Em termos práticos:

A venda de um quadro no valor de R$ 2.000 que teve um custo total de R$ 1.300 tem-se 2000/1300 = 1,53.

Assim o Retorno é de 1.53 ou 53%.

ROAS – Retorno Sobre Investimento Publicitário

O problema do ROI é que o valor calculado diz respeito a todos os gastos, mas e se o objetivo é descobrir se uma determinada campanha de marketing trouxe resultados positivos e se vale a pena mantê-la?

É nessa situação que se utiliza o ROAS.

O cálculo do ROAS é realizado dividindo o faturamento pelo investimento em publicidade. Por exemplo, se gastou R$ 300 em anúncios patrocinados e vendeu R$ 900 em produtos, consequentemente, tem-se um ROAS de 3.

Isso significa que a cada R$ 1 investido em publicidade está ganhando R$ 3.

  • Faturamento / Investimento em publicidade

O ideal é que o ROAS fique sempre acima de 2, pois se estiver em 1 significa que há prejuízo.

Ticket Médio

Essa métrica corresponde a média de valor gasto por cada cliente no e-commerce. Para obtê-la divide-se a receita mensal pelo número de clientes.

  • Ticket Médio = Receita / Nº de clientes

Taxa de Aprovação de Pedidos

Refere-se a taxa de pedidos feitos e realmente pagos. Há também quem use esse mesmo cálculo para analisar emissão de boletos, já que é comum a compra em e-commerce com boleto bancário, e ao mesmo tempo, muitas vezes não pagos e “esquecidos”.

É interessante inserir no cálculo dessa métrica os eventuais estornos solicitados.

Para calcular use a seguinte fórmula:

  • Taxa de aprovação = (Pedidos pagos / Total de pedidos) * 100.

Aplicando a fórmula terá o percentual.

Taxa de Conversão

A taxa de conversão de visitantes em compradores pode ser obtida pela fórmula:

  • Taxa de conversão = (Clientes Convertidos / Nº de Visitas) * 100.

Taxa de Carrinho Abandonado

Essa KPI talvez seja uma das mais importantes, pois impacta diretamente no faturamento. Quando o índice de carrinho abandonado é alto, conseguir melhorá-lo já pode dar um acréscimo significativo no lucro da empresa.

Para calcular você precisará do número de pessoas que iniciaram o check out e a quantidade de check outs abandonados.

Com esses dados aplique a fórmula abaixo:

  • TxAC = (número de pessoas que não completaram o check out / quantidade de pessoas que iniciaram o check out) * 100.

Por exemplo: 2.500 iniciaram o check out e 1.000 concluíram a compra. Com isso, sabemos que 1.500 abandonaram o carrinho.

TxAC = (2.500 / 1.500) * 100

O resultado será 166 (66%).

Custo por Aquisição (CPA)

O CPA calcula o quanto teve de gastar para gerar uma venda (por cliente).

Para descobrir aplique a fórmula:

  • CPA = Valor investido / Número de vendas

Quando o custo de aquisição tiver alto é o momento de rever suas estratégias.

Lifetime Value (LTV)

O LTV ou valor do tempo de vida do cliente é uma métrica muitas vezes deixada de lado, mas é de suma importância. Refere-se a “fidelidade” dos seus clientes, durante quanto tempo permanecem ativos e gastando no seu e-commerce?

Para calcular o LTV utilize:

  • LTV = Ticket Médio Mensal x Tempo Médio de Retenção de Cada Cliente

De forma prática, supondo que o ticket médio mensal do seu e-commerce seja de R$ 140 e o prazo de retenção de 8 meses, o cálculo ficaria:

LTV = 140 * 8 = R$ 1.120.

Isso significa que cada consumidor gasta, em média, R$ 1.120 reais no e-commerce.

Tráfego do Site

O tráfego do site é a quantidade de pessoas que acessam. Cuidado para não confundir com Sessão, esta corresponde a soma das páginas. Um visitante pode acessar mais de uma página em um mesmo site.

Essa métrica é fornecida através de um código de rastreio. Atualmente, o Search Console e o Analtycs (ambos do Google), são as formas mais comuns de monitorar o tráfego.

Estratégia de Vendas para E-Commerce
(Venda Mais)!

Vender mais é o sonho de todo empreendedor ao montar um e-commerce, mas como fazer isso?

A solução é trabalhar as estratégias de marketing digital no seu e-commerce, isso permite alavancar as vendas, fazer branding e aumentar o crescimento do negócio.

Se você não sabe quais são as principais formas de fazer publicidade digital, abaixo trouxemos as considerações necessárias:

Automação de e-mail marketing

Consiste em enviar e-mails de forma automatizada, previamente analisada, dentro de um padrão para conduzir o consumidor à compra que utiliza a jornada da compra e funil de marketing.

Redes sociais

As redes sociais (aqui tratando Facebook, Instagram e Twitter) já estiveram entre as formas de marketing mais utilizadas, mas hoje, devido a limitação de alcance pelas plataformas, as estratégias tornaram-se menos efetivas.

Veja, menos efetiva não significa sem resultados, com ROI positivo e alavancagem do e-commerce.

O que se tornou comum é o patrocínio e criação de campanhas nas redes sociais para aumentar o alcance e gerar mais vendas.

Blogs e marketing de conteúdo

O blog é um canal de comunicação (página) com atualizações frequentes e conteúdos relevantes para os visitantes.

Esse canal de comunicação pode ser uma página dentro do próprio site (ex: www.seudominio.com.br/blog) ou criar um site em formato de blog (domínio principal).

O interessante de se ter um blog é que nele é possível trabalhar o marketing de conteúdo.

O marketing de conteúdo consiste em proporcionar valor aos potenciais compradores dos produtos/serviços da empresa, atraindo-os, engajando e fazendo com que despertem interesse no que é oferecido pela empresa.

Claro, há toda uma estratégia e organização de funil de vendas para isso.

Por exemplo, supondo que tenha uma empresa de venda de pneus, crie conteúdos sobre assuntos como:

  • Melhores marcas de pneu;
  • Como escolher o pneu certo para o seu carro;
  • Diferença de pneu novo x remold.

Com isso, busca-se fazer com que o leitor, a partir dos conteúdos, venha a se interessar pelos produtos da empresa e gerar vendas.

É uma estratégia altamente efetiva e há empresas com resultados de crescimento superior a 1000% usando essa estratégia.

Search Engine Optimization (SEO)

Não se assuste com a expressão, para o português, podemos traduzir como “Otimização para Motores de Busca”.Quando você deseja comprar algo na internet, o que faz? Busca no Google?É justamente isso que o SEO visa em um site.Trata-se de trabalhar através de estratégias e conceitos técnicos um site para obter boas posições em motores de busca como Google, Yahoo e Bing.Por exemplo:
É através da otimização (SEO) que se consegue atingir as melhores posições dentro dos motores de busca.


Google Ads

O Google Adwords são anúncios patrocinados na rede de busca da plataforma. Em outras palavras, paga-se para aparecer nas primeiras posições das buscas. É o caso da imagem acima em que há escrito “anúncio”.

Rede de Display

A rede de display é uma rede de blogs “filiadas” ao Google que aceitam exibir anúncios dentro dos conteúdos ou em locais do blog/site.

Fazer anúncios na rede de display pode trazer bons resultados, mas é preciso tomar cuidado com os locais de exibição e filtrar muito bem os blogs para trabalhar apenas com aqueles que o público seja a sua persona.

Veja um exemplo da rede de display:

Youtube

O Youtube é uma plataforma de compartilhamento de vídeos com mais de 1 bilhão de usuários e com uma alta taxa de alcance.

Vale lembrar que vídeos são altamente conversivos e aumentam a credibilidade das empresas, já que se pode aparecer frente as câmeras. Isso gera confiança e identificação por parte dos consumidores.

Utilizar a plataforma para publicar vídeos e gerar alcance é uma excelente estratégia de marketing para e-commerces, principalmente focada em reviews dos produtos vendidos.

Remarketing

Estudos revelaram que raras são as vezes que uma pessoa compra em um primeiro contato com o produto, serviço ou empresa, necessitando de 3, 4 e até 6 vezes até decidir pela compra.

O Remarketing é a solução criada pelo Google Adwords para exibir os anúncios para pessoas que já se interessaram pelo produto, ou seja, tiveram contato com a empresa.

Você já deve ter se deparado com um anúncio relacionado a algo que já visualizou, isso é a ferramenta remarketing em ação.

Por exemplo, fez algumas buscas na internet sobre tênis e amanhã, simplesmente, aparece um anúncio da Netshoes ou Dafiti. O Google Adwords utilizou os cookies (remarketing) para exibir anúncios relacionados as suas buscas e ao mesmo tempo, empresas que já teve contato.

Já tem um e-commerce e está iniciando e quer implantar as melhores estratégias de marketing digital para alavancar seu negócio? Clique e descubra como podemos fazer isso juntos.

×